domingo, 24 de janeiro de 2010

Salvador Dalí



DOMINGO



Não passo de uma solidão exagerada

de um momento que se perdeu no seu canto.

O domingo arrota seu tédio

e eu fico bobamente esperando

um instante só de novas marcas.

Queria gritar,

ainda que fosse o grito não entendido

ou perfurar esse irreal de existência...

Queria a força irresistível

das correntes se partindo

ou rasgar no dente

essa dor de parir meu verso.


Genny Xavier

Salvador Dalí

15 comentários:

Nilson Barcelli disse...

Foi a solidão do Domingo que a invadiu...? Já senti isso durante um período de tempo em que estava longe de todos. E, nessa altura, o Domingo à tarde era a ocasião mais penosa.
"A força irresistível das correntes se partindo". Magnífica imagem poética.
O seu poema é soberbo, querida amiga. Gostei imenso.
Boa semana, um beijo.

heretico disse...

gosto muito da ideia de "parir meus versos".

por vezes doloroso, sem dúvida! mas com a glória imensa de (re)inventar a Palavra...

sei o que são esses Domingos! em que a poesia é também refúgio e... refrigério!

beijo

A.S. disse...

Genny...

Liberta o grito que prendes na garganta.
É este o momento!
Os versos são sempre paridos
em gritos de sofrimento!

Beijos...
AL

Luiz Reginaldo Silva disse...

Sua inspiração poetica vem de outros lugares não identificados da sua propria mente!

Não há como deixar de elogiar e de se deliciar com tamanha riqueza de palavras que mexem com nosso inconciente.

Continue assim que a pegada é essa.

Luiz Reginaldo
Abraços do seu imenso tamanho!

Manuela disse...

Pensava eu que seria a única a fazer versos assim, mas você supera tudo, adoro a sua poesia, tem tanto que ver comigo.
Beijo
Boa semana.
Já melhorei obrigada, mas ando triste...
Manuela

Dalinha Catunda disse...

Olá Genny,
É no parir dos versos que descarregamos a nostalgia.Parabéns pela inspiração tão bem traduzida em palavras.
Um abraço,
Dalinha

Claudinha ੴ disse...

Adorei as imagens poéticas, o ato de se libertar dos grilhões e o tédio do domingo que a todos assalta! Pariu seus versos de sua alma e ficou muito lindo! Um beijo!

A.S. disse...

Happy valentine's day. São os meus votos para uma linda e talentosa poeta!!!

beijos
AL

Caio Rudá disse...

Domingo é sinônimo de tédio, mas quem disse que poesia não nasce daí?

Miriam de Sales Oliveira disse...

Geny,recebi uma chamada no e-mail e vim visitá-la.Gostei muito do blog;dizer isso,assim,é usual ,mas,n/completa o sentimento de beleza q/ele encerra.Os versos,a formatação,tudo!
Abraços

Nilson Barcelli disse...

Porque hoje é Domingo, vim espreitar para ler mais poesia sua. Mas nada... não faz mal, "eu fico bobamente esperando um instante só de novas marcas."... rs...
Querida amiga, bom resto de Domingo para vc.
Um beijo.

Antonio Naud Júnior disse...

Amada Jennifer, belíssimo teu/meu poema
Fiquei emocionado. Não deixe nunca de escrever. E parta imediatamente para o teu livro.

Envio o meu abraço apertado
na melhor Amizade
entre dunas, brisa e esperança... Nem acredito que me livrei das "trevas".

Te digo que, muito no breve, no meu circusnscrito entender você é poeta do Limite. tem várias fases, sim, que conheço a fundo... mas percebo-a como se acercando da Passagem e hesitante entre o desdobramento de possibilidades... Frequentemente tenta-se pelo mais voraz, e, parece-me que n'Ele seus poemas são gritos... outras das vezes mescla-se em luz da Luz e seus poemas são profundamente hipnotizantes... sempre muito intensos mas, talvez mais "seguros" porque mais serenizados... isto, falando só no breve para tornarmos aos assunto vezes sem fim...
Fica bem
voando pelos melhores céus...

Te cuida! Vida longa!
TE AMO

Anônimo disse...

parabens pelo blog...
Na musica country VIRGINIA DE MAURO a LULLY de BETO CARRERO vem fazendo o maior sucesso com seu CD MUNDO ENCANTADO em homenagem ao Parque Temático em PENHA/SC. Asssistam no YOUTUBE sessão TRAPINHASTUBE, musicas como: CAVALEIRO DA VITÓRIA, MEU PADRINHO BETO CARRERO, ENTRE OUTRAS...
é o sonho eterno de BETO CARRERO e a mão de DEUS

SAM disse...

Geny, nunca li uma poesia sobre um dia da semana que fosse tão completa e familiar muitas vezes ao que sinto. Adorei.

Beijos


*Heeeeeee que anônimo chato! Hahahaahahaaahaah

Anônimo disse...

Oh, Genny, minha bela poeta! Tão bela, tão poeta... o gênio da raça grapiúna mora nas suas letras. Quanta saudade, minha amiga.

Carlos Betão