domingo, 12 de julho de 2020

Foto: Magnus Wenneman



RUAS QUE CHORAM



Muros riscados de carvão
dão conta dos pecados
daqueles que emporcalham as noites...
A violência se veste de sombra
e, no fio da luz lunar,
se esgueira, se estica
e toma a forma dos que rastejam...
Há um luto manchado de rubro,
nascido nas esquinas nutridas
de fuligem e lodo.
Há ruas que choram
por crianças que dormem
o sono sem sonhos.

Genny Xavier

Foto: Magnus Wenneman


sábado, 4 de julho de 2020

"Lutar com palavras é luta mais vã. Entanto lutamos, mal rompe a manhã." Carlos Drummond

Fonte: Google


PELEJA

“Viver é lutar contra os demônios do coração e do cérebro. Escrever é pronunciar sobre si o último julgamento.”
Henrik Ibsen


A folha em branco
atrai o grito
da palavra escrita.
A letra exposta
dispara, tiro a tiro,
a luta viva
do verso de sangue…

O poeta,
roto, sujo, ferido
de guerra e susto
sustenta o peso
do tempo incerto
de luas vermelhas
e sóis de gelo…

Quem vence
a batalha inglória?
A horda dos desatinos
ou a poesia dos resistentes?

Genny Xavier

terça-feira, 12 de maio de 2020

Créditos das imagens *(1) e *(2)

REVÉS DO SONHO

A vida
se veste de sonhos
para fantasiar
o amor dos contos
e o medo dos monstros...

Mas, no revés das utopias
a realidade se despe
e acorda...nua. 



Genny Xavier
______________________________________________________

Créditos das Imagens:

*(1) Ilustração de John Bauer - Livro infantil “Bland Troll tomtar och”, 1913;
*(2) Foto: Maíra Morais/ Fonte: https://www.hypeness.com.br/2016

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020

by Raul Aguiar



DE VOLTA AS ESTRELAS


A ínfima centelha
do milagre da vida
errou o caminho
e partiu de volta...
pequenina luz
a deslizar no fio de prata...


Genny Xavier


terça-feira, 4 de fevereiro de 2020

"Deusa" - Eric Carrazedo



DEUSA


Como deusa pagã,
a poesia em mim
revela seus caprichos...
Ora reverbera o grito,
o clamor das ruas
a indigesta violência...
Ora comanda o riso,
o amor imprevisto,
o frêmito do corpo...
Ora aprofunda a dor,
que mira o abismo
no topo do mundo...
E cria seus rebuliços,
sua magia, 
sua subversão...

Genny Xavier

sexta-feira, 24 de janeiro de 2020

Na garoa fria do início da manhã, meninos de rua dormem nos respiradouros
quentes do metrô do centro de São Paulo. Foto: Oliveira Pluviano



OS SONHOS ACORDAM


Sonhei cravos vermelhos
no solo verde do meu chão...
Almejei o voo do condor
alçando liberdades
no céu azul,
alargando sua visão
ao horizonte do amanhã...

Mas os sonhos acordam,
amanhecidos de realidade
e chuvosos dos dias cinzas
nesse meu tempo de auroras tristes...

Genny Xavier


domingo, 30 de junho de 2019

“Multipliquei-me para me sentir, para me sentir, precisei ser tudo” – Álvaro de Campos/ Fernando Pessoa

Pintura de António Costa Pinheiro - Óleo sobre tela - 1978


AS OUTRAS FACES DE MIM

 (Das leituras de Fernando Pessoa e seus heterônimos)

Eu olho com olhos de muitos
a paisagem contemplada no horizonte.
Tomo cada boca beijada
como se múltipla fosse a minha
pousada em cada outro
a outra em mim estimulada.
E, a mão que percorre o áspero ou suave corpo,
responde diferente em cada textura visitada.
E, ainda que variados odores me cheguem
invocarão cada mulher em mim despertada
- Rosas, Margaridas, Hortênsias e Angélicas.

Mas, há em mim a face que mais se multiplica:
mulher refletida no espelho partido da palavra latente,
leve ou pesada
maleável ou dura
física ou volátil...
Esta palavra,
herdada de outras mulheres que fui,
esculpida diante da poeta que sou
e eternizada no anjo que serei,
escapará da única alma que tenho,
límpida e doce
cristalina e invisível
para pousar, finalmente,
no imaculado papel que o vento trouxe...

Genny Xavier

As várias faces de mim...


sexta-feira, 14 de junho de 2019

Fonte: Google


DESPERTAR


Mais uma manhã de nuvens cinzas
e silêncio de pássaros...
Da janela aberta
 invade o cheiro de terra da rua molhada
denunciando a chuva da madrugada.

Eu também me sinto nuvem
e água de chuva
a escorrer suave
pelos meus caminhos silenciosos...

Genny Xavier


quinta-feira, 6 de junho de 2019

“Sou o bicho humano que habita a concha (...).” Caio Fernando Abreu

"Mulher em frente ao espelho" (1932) - Pablo Picasso


ESTRANHEZA DE MIM


Há dias em que eu
não me adapto ao corpo.
Tudo se estranha
e se desalinha
do prumo das horas...

Há dias em que eu
me desacostumo de mim
feito desconforto
de bicho-fera domesticado
que se ilude de civilidade...

Há dias para vagar
ao esgar das inquietações.
E, na hora imprópria
ao grito ecoado no breu da noite,
a alma sai do corpo para se livrar dos monstros...

Genny Xavier

sexta-feira, 31 de maio de 2019


Foto: Fábio Seixo


SENTIMENTOS RUBROS


Há certas noites
em que a música embala a dor
e brinda comigo
uma taça de vinho...
Líquido tinto
a misturar-se ao sangue rubro
das minhas veias ...
Um sabor acre
(não do vinho)
chega à boca
e provoca a náusea
dos dias avinagrados...
Meus olhos não alcançam
o tapete bordado de estrelas
do céu longínquo,
mas chegam às luzes das ruas
em que meninos e homens
disputam os espaços
que exacerbam as injustiças
desse tempo de incertezas...

Genny Xavier

Foto: Fonte Google