domingo, 30 de junho de 2019

“Multipliquei-me para me sentir, para me sentir, precisei ser tudo” – Álvaro de Campos/ Fernando Pessoa

Pintura de António Costa Pinheiro - Óleo sobre tela - 1978


AS OUTRAS FACES DE MIM

 (Das leituras de Fernando Pessoa e seus heterônimos)

Eu olho com olhos de muitos
a paisagem contemplada no horizonte.
Tomo cada boca beijada
como se múltipla fosse a minha
pousada em cada outro
a outra em mim estimulada.
E, a mão que percorre o áspero ou suave corpo,
responde diferente em cada textura visitada.
E, ainda que variados odores me cheguem
invocarão cada mulher em mim despertada
- Rosas, Margaridas, Hortênsias e Angélicas.

Mas, há em mim a face que mais se multiplica:
mulher refletida no espelho partido da palavra latente,
leve ou pesada
maleável ou dura
física ou volátil...
Esta palavra,
herdada de outras mulheres que fui,
esculpida diante da poeta que sou
e eternizada no anjo que serei,
escapará da única alma que tenho,
límpida e doce
cristalina e invisível
para pousar, finalmente,
no imaculado papel que o vento trouxe...

Genny Xavier

As várias faces de mim...


sexta-feira, 14 de junho de 2019

Fonte: Google


DESPERTAR


Mais uma manhã de nuvens cinzas
e silêncio de pássaros...
Da janela aberta
 invade o cheiro de terra da rua molhada
denunciando a chuva da madrugada.

Eu também me sinto nuvem
e água de chuva
a escorrer suave
pelos meus caminhos silenciosos...

Genny Xavier


quinta-feira, 6 de junho de 2019

“Sou o bicho humano que habita a concha (...).” Caio Fernando Abreu

"Mulher em frente ao espelho" (1932) - Pablo Picasso


ESTRANHEZA DE MIM


Há dias em que eu
não me adapto ao corpo.
Tudo se estranha
e se desalinha
do prumo das horas...

Há dias em que eu
me desacostumo de mim
feito desconforto
de bicho-fera domesticado
que se ilude de civilidade...

Há dias para vagar
ao esgar das inquietações.
E, na hora imprópria
ao grito ecoado no breu da noite,
a alma sai do corpo para se livrar dos monstros...

Genny Xavier

sexta-feira, 31 de maio de 2019


Foto: Fábio Seixo


SENTIMENTOS RUBROS


Há certas noites
em que a música embala a dor
e brinda comigo
uma taça de vinho...
Líquido tinto
a misturar-se ao sangue rubro
das minhas veias ...
Um sabor acre
(não do vinho)
chega à boca
e provoca a náusea
dos dias avinagrados...
Meus olhos não alcançam
o tapete bordado de estrelas
do céu longínquo,
mas chegam às luzes das ruas
em que meninos e homens
disputam os espaços
que exacerbam as injustiças
desse tempo de incertezas...

Genny Xavier

Foto: Fonte Google


domingo, 12 de maio de 2019

"Se as coisas são inatingíveis...ora! Não é motivo para não querê-las... Que triste os caminhos se não fora a presença distante das estrelas! (Das Utopias/ Mario Quintana)


"Arara azul e amarela". Foto: Felipe Frazão 


PORVIR


A fleuma indigesta dos dias
me cobra a lucidez cotidiana.
Mas eu não disciplino minha loucura
e sempre tomo a palavra
como flama ardente
que incendeia a razão inútil
dos homens postos
em seus pedestais de mármore...

A poesia maturada no tempo
alenta e restaura minhas asas.
Pássaro de voo livre
a percorrer novos rumos
e a resistir as intempéries dos ventos...

No anseio do dia novo
eu pouso à margem do rio.
As águas escoam serenas
a deslizar entre seixos.

Assim revigoro meus sonhos...

Genny Xavier   

domingo, 5 de maio de 2019

"Procuro o sopro da palavra que dá vida aos sussurros". Clarice Lispector



Foto: Alcina Moreira


VERSOS RUMINANTES


Tão frágil o corpo
e tão resistente a alma...
Tão lúcida as vontades
e tão plácida a consciência
do mundo amado...

Tão única a saudade
do afeto não vivido,
do beijo não sentido,
da poesia silente,
bravia e latente...

Tão imensurável o amor
e tão exíguo seu tempo...
Pendulo de riso e dor,
ponteiro dos dias solares
e das noites de azeviche.

Tão breve a vida!
e tão longa a estrada
de caminhos intermitentes...
Entre curvas perigosas
e retas suavizadas...

Ah! Tudo é tão imenso em mim!
E tão pouco me dispo,
e tão muito me guardo...

Genny Xavier

segunda-feira, 29 de abril de 2019

Fonte: Google


TRANSMUTAR

Eu queria ser vento
que ultrapassa os limites...
ou água pura
que escorre das nascentes ao mar.
Eu queria ser fogo
que aquece todas as friezas invernais...
ou terra
que fecunda o útero do mundo.

Mas, se de cada elemento
eu nutro meu corpo-matéria
posso ser alquimia
e transmutar a essência
que liberta meu espírito.

Genny Xavier

quinta-feira, 18 de abril de 2019

Fonte: Google


OPOSTOS EQUIVALENTES


Uma nação se curva ao caos
num embate entre poderes corrompidos
e poderes equivocados.
Um coro dissonante
prenuncia seus presságios
transmitidos por todas as vias de agora.
De muitas bocas escorre o veneno amargo
e de outras o vômito ácido dos raivosos...
Perdidos, pisamos um chão de folhas mortas,
outrora vividamente verdes.
E olhamos ao alto para o horizonte cinza
outrora límpido de azul celeste...

Me sinto testemunha solitária,
espiando um cortejo patético
que, cego, segue
as vãs promessas de salvação
de reis bufões...   

De que fresta
eu espreito meus dias?


Genny Xavier


sábado, 6 de abril de 2019

Pintura de Edward Hopper



INSÔNIA


A grande boca da noite
engole meu sono
e deglute todos os sonhos...
Realidade que assombra os olhos
enlouquece os sentidos
e rodopia os passos na sala vazia da alma...


Genny Xavier




terça-feira, 26 de março de 2019

"Dá ao meu verso, mar, a ligeireza, a graça de teu ritmo renovado." (Vinicius de Moraes)

Torre de Belém - Lisboa/ Portugal (Fonte: Google)



TERRAS ALÉM-MAR


Não sei o que move meus olhos
para as distantes terras além-mar…
Se fado, se Tejo
Se Florbela, se Pessoa
Se cravos, se vinhos…
Não sei...

Mas as indagações duram pouco
(não se explica o querer)

Genny Xavier
.