domingo, 25 de março de 2012

Foto Carla Oliveira


PEQUENA CRÔNICA PARA UM DIA EM PRETO E BRANCO


Chego meio controvertida no balanço do final dia. Chego a esquecer a razão, este esquema cheio de limites com o cotidiano. Tento buscar Neruda, Dikens, Dylon, Lispector...todos perdidos nas imagens bicolores da minha alma, na paisagem em preto e branco.

Confundo minha melancolia com o sol se pondo numa praia distante - ou não tão distante, tão ali quanto a doce Olivença e acolá quanto o farol de Itacaré. Confundo olhos expressivos com sorrisos irônicos – meus estranhos olhos e mil risos não padronizados, quase sagazes e atrevidos.

Talvez fosse terna a marca registrada do oposto - tão diversa e próxima, como todo oposto. Talvez fosse simplesmente novo o mesmo gosto de coisas diferentes, ou apenas um sentimento de aventura. Talvez fosse o que poderia ser de um instante eterno, mas nunca durável no tempo.

Pela síntese, eu me delimito no espaço amplo da minha busca. Portanto, por hoje, eu desejo apenas ser poeta, para fazer da loucura, do vento e da estrada, a razão quase humilde do meu estado de liberdade.


Genny Xavier

________________________________

*Olivença – Distrito de Ilhéus, litoral do sul da Bahia.

*Itacaré – Pequeno município no litoral do sul da Bahia



Foto Ricardo Tavares

10 comentários:

São disse...

Mais um bom texto com uma escrita clara e fluida que nos prende.

Lhe desejo um felzi domingo, linda

Anônimo disse...

Belo, belo, demais da conta. Tão bom ver-te tão lúcida e vendo tanto além do que o nosso olho simplório costuma se fartar de olhar sem ver. Abração.

Anônimo disse...

Belo, belo, demais da conta. Tão bom ver-te tão lúcida e vendo tanto além do que o nosso olho simplório costuma se fartar de olhar sem ver. Abração. Moisés.

Mar Arável disse...

Eternos vagarosos instantes

heretico disse...

belo teu texto. como que a desvendar o lume das "coisas diferentes".

no outro lado. a liberdade se faz carne e sangue...

... e poesia. da melhor!

beijos

Solineide Maria disse...

Seja, então, poetisa!

Solineide Maria disse...

Feita a vossa vontade!
Com amore leio seus versos. Com mais calma sigo para o dia...

Desnuda disse...

Querida amiga,


A poesia rompe do seu âmago com extrema beleza. Belíssima crônica!

Beijos com carinho.

Nilson Barcelli disse...

Um magnífico texto.
Onde a tua capacidade de síntese vem ao de cima.
Genny, querida amiga, tem um bom resto de semana.
Beijo.

Mel de Carvalho disse...

E eu não entendo como só hoje cheguei aqui - confesso-me fascinada pelas palavras que aqui encontrei. bem-haja, Genny. vou guardar o link e voltar, se me permite.

gratidão
Mel