sexta-feira, 7 de outubro de 2011

"Que é a história senão uma fábula em que todos concordam?"


MEDO

Tanto quanto me aterroriza
esta violência estabelecida no mundo,
outro medo me invade
nos cáusticos dias de hoje.
O pavor me vem
deste falso silêncio,
das caras risonhas,
das vidas festivas,
das alegorias humanas
ou dos caricatos senhores do poder...
O pavor me vem
das besteirinhas parlamentares,
dos paletós engomadinhos,
dos tapinhas nas costas,
das piadinhas imbecis,
dos chavões,
das convenções
ou do plin-plin pegando onda...

O pavor me vem
de onde absolutamente nada acontece!


Genny Xavier


6 comentários:

São disse...

Partilho essa sua angústia, esse seu receio: temo mais quem usa hipocrisia do que a própria violência.

defenden-mo-nos melhor daquilo que é claro

Um bom fim de semana, linda

heretico disse...

chatice mesmo onde nada acontece!...

... antes uma boa briga!

como te compreendo!

beijo

Mar Arável disse...

A coisa está a ficar muito globalizada

Moisés disse...

Issuaí, poeta. Mete o pau nesses canalhas. Me arrepiei todo. Ui.

Nayara .NY disse...

Eu vi todo um cenário de desastre político e social, um cenário no qual infelizmente estamos inseridos!
Medo: também tenho!

Bjoo

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Poema maravilhoso, amiga. Gosto quando você chuta o pau da barraca.
Saudades

O Falcão Maltês