segunda-feira, 9 de março de 2009

A CONSCIÊNCIA DE GAIA...O FEMININO E SUA ESSÊNCIA


CRÔNICA: Genny Xavier


A SENHORA DA MAGIA
O que me diz a história escrita pelas pontas dos dedos da artimanha, da intuição e da sedução feminina? Toda mulher tem um pouco de bruxa em sua alma? Quem é este ser que encanta sem, necessariamente, precisar da beleza viril masculina, símbolo maior da Criação, talhada à imagem e semelhança de Deus? Se o homem, esculpido do barro, é o reflexo da imagem do seu Criador, certamente a mulher foi criada segundo a unicidade do seu ser e, portanto, livre pela força da sua expressão feminina, ímpar e misteriosa, repleta de cheiros naturais que fascinam os homens e os arrastam à luz da sua sutil singularidade.
Passam aos meus olhos - neste instante noturno em que eu, mulher, exercito esta metalinguagem sobre mim mesma e meus mistérios - a existência de tantas personagens históricas, lendárias, míticas e místicas. Algumas, tocadas pela obstinação, como Joana D'Arc, queimada na fogueira como bruxa; outras, tomadas pelo mistério da visão interior, como Morgana da Bretanha, a Fada de Avalon; tantas outras em épocas distintas e diferentes tempos, posturas, caminhos, verdades, imaginações.
Insisto em pensar na essência visionária, intuitiva, quase desvairada desta alma feminina, vezes santa, vezes pagã, ora amada, como Maria, a Mãe, símbolo da suprema dádiva; ora temida, como Malévola ou Lilith, seja nos contos de fadas ou pela interpretação mítica de um mundo que ainda não reconheceu a marca impressa das mãos suaves e fortes da mulher sobre seu dorso.
Não quero passar as vistas pela história feito os olhos didáticos dos ensaístas, este texto é apenas um feminino suspiro, resultado daquelas horas em que a visão tridimensional pousa sobre o tempo, como se deitasse sobre mim, sobre meu colo, arquétipo do útero de Gaia, toda a história do mundo, simplesmente porque abraço a intuição sob as minhas asas de mulher, de mãe, de ser que executa com sutileza e sabedoria, sensibilidade e presteza, ciência e encantamento a sedução que pasma os homens, os consomem de fascinação, os interrogam e, principalmente, os tornam mais graciosos, lutadores e fortes.
É, então, finalmente esta mulher, bruxa ou feiticeira, fada ou santa, megera ou abnegada; seja fabricando filtros do amor, encantamentos e feitiços; seja lutando em campos de batalhas, casas e supermercados; seja recebendo o homem dentro de si, que aprendeu a criar a luz da ribalta em bastidores sem platéia e a plantar semente fértil em terreno árido. Esta é, sem dúvida, uma mágica façanha.
_____________________________________________________________



FEMININA

Flores
púrpuras
e javanesas...
Cores e tons que traduzem cheiros
sinestésicas sensações...

Anas
Marias
e Marianas...
Femininos matizes
em tons sobre tons...

Ofuscantes constelações.
Mulheres que traduzem cores
em tradução de espíritos
estados
e ambigüidades...

Ah! etéreo em mim este infinito de mulher...
Dissimulada precisão
de sutilmente dissimular.
Anjo e demônio...
Vezes: uma Eva.
Outras vezes: uma Lilith.
Então, corpóreo ser
estás em todos os dons
todos os sons
todos os tons...

Genny Xavier

______________________________________________________________

Em 8 de março se comemora a marca da força e da luta da mulher no mundo e esta também é a data do aniversário da minha mãe. Com ela aprendi muito sobre "mulheres", sua percepção e ternura, sua energia e coragem para conduzir trilhas e remover obstáculos pela vida. Dela eu guardo a saudade de sua passagem entre nós... e guardo a imagem dos seus olhos límpidos de céu e luz.


SONOLÊNCIA

Para Maria, minha mãe.

Hoje
a nostalgia
brinca de infância
comigo...
nós duas juntas
de mãos dadas
pelo tempo...

- Canta, mãe
a tua canção de ninar!

Genny Xavier








2 comentários:

Robson Araújo disse...

não a palavras para resumir a magnitude que existe na alma feminina, mas sempre há espaço para expressar essas pessoas que nos encantam

Anônimo disse...

Parece-me conhecida certas palavras e tematicas que voce escreve. Possuimos gostos parecidos. Tudo muito parecido...estranho isso " o parecido". Mesmo gosto cinematográfico, musical, agora só faltaria dividir a cama. Nao, isso já seria demais...tenho "tenho certeza que nao seria uma boa". Viva sua poesia, seu blog, sua filha...VIVA! Nao copie, nao plagie, veja a vida que vc tem, nao importa os homens e suas vidinhas mesquinhas e mentirosas. Seja feliz!